VERSÍCULOS DA BIBLIA

COPA DO MUNDO ALEMANHA É TETRA

Domingo, 13 de Julho de 2014 - 18:35
Götze marca na prorrogação e Alemanha conquista o tetra



Fotos: Estadão Conteúdo

A final da Copa do Mundo no Brasil não poderia encerrar de outra maneira. Em um jogo recheado de dramaticidade e fortes emoções, para os dois lados, Alemanha e Argentina proporcionaram aos amantes do futebol uma decisão marcada pelo equilíbrio e obediência tática. Resultado da decisão parelha, então, só teria um caminho: empate no tempo normal, na prorrogação e o campeão conhecido apenas na decisão por pênaltis. A última etapa, porém, não entrou em cena graças ao meia Mario Götze.

Apontado como uma das grandes joias do futebol alemão, o meia do Bayern de Munique brilhou. Entrou no segundo tempo da partida e marcou um golaço na prorrogação. O gol não foi apenas o mais importante da carreira. Foi o tento que colocou fim no jejum da Alemanha de 24 anos sem títulos mundiais.

Com o 1 a 0, a seleção da Alemanha derrotou os argentinos na tarde deste domingo (13), no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, e conquistou o tetra da Copa do Mundo. A conquista serviu para coroar uma bela campanha alemã, detentora do melhor ataque da competição (17 gols) e uma das defesas menos vazadas (4 gols). Não foi um título merecedor apenas pela performance no torneio. Foi a premiação por um futebol que encantou, mostrou como trabalhar e se divertir ao mesmo tempo, sem esquecer do trabalho.

Foi a partida de desempate. Em outras duas ocasiões, em 1986 e 1990, foi um título para cada seleção. Agora, com o triunfo em 2014, os alemães poderão bater no peito e dizer que, diante da Argentina, eles se dão bem em decisões de Copa do Mundo.
Bola rolando para final
A seleção da Alemanha saiu perdendo a decisão antes mesmo da bola rolar. O volante Khedira, do Real Madrid, não resistiu ao incômodo no joelho e foi vetado pelo departamento médico, sendo substituído no aquecimento do time antes do jogo. O jovem Kramer, de 23 anos foi o escolhido por Joachim Löw.

Três minutos. Este foi o tempo para que uma das seleções finalizasse pela primeira vez no Maracanã. Os alemães cobraram falta na barreira, no setor de ataque, e permitiu o contra-ataque. Lavezzi disparou e ajeitou para Higuaín, de primeira, bater cruzado e mandar para linha de fundo. Em outros dois lances, também pelo lado direito, a seleção da Argentina mostrou que iria explorar as costas do zagueiro Höwedes, improvisado como lateral. Em uma das jogadas, Lionel Messi ganhou do adversário na velocidade, tocou para trás, mas ninguém chegou para concluir em direção ao gol.

Higuaín perde chance incrível e tem gol anulado
O jogo estava equilibrado. Mas, aos 20 minutos, os argentinos tiveram uma grande chance que dificilmente conseguiriam ter até o apito final. Kross, na intermediária, recuou a bola de cabeça para o goleiro Neuer. Ele, porém, não viu a presença de Higuaín no meio do caminhão. O atacante entrou na área sem marcação, de frente para o arqueiro, mas pegou errado e mandou para fora. O futebol alemão foi o mesmo praticado nos jogos anteriores. Muita posse de bola, posicionamento avançado e paciência para encontrar espaços. Do outro lado, com um sistema de marcação muito forte, que contou com ajuda dos homens de ataque, a Argentina não dava brecha e marcava atrás do meio de campo.



Aos 29, os argentinos conseguiram chegar ao gol, que não valeu. Messi parcebeu a movimentação e tocou para Lavezzi. O atacante, sempre pela direita, cruzou na área e Higuaín mandou para o fundo da rede. O argentino, no entanto, estava em posição irregular e o auxiliar assinalou impedimento.

Chances lá e cá
No minuto seguinte, após levar uma forte pancada no rosto dez minutos antes, o volante Kramer não conseguiu permenecer em campo e foi substituído pelo meia Schurrle, que marcou dois gols no Brasil. A modificação não foi só de peça, mas também taticamente. Trocou um home de marcação por outro atleta mais rápido e técnico. E foi dos pés do jogador do Chelsea que a seleção da Alemanha criou a primeira oportunidade marcar o gol. Ozil avançou pela esquerda e tocou para trás. De primeira, Schurrle bateu forte e o goleiro Romero fez grande defesa.

De novo pelo lado esquerdo, onde estava improvisado o zagueiro Höwedes, os argentinos levaram muito perigo. Aos 39, Messi arrancou com muita velocidade, passou pelos adversários e tocou na saída de Neuer. A finalização saiu fraca e permitiu a recuperação alemã, com o zagueiro Boateng salvando quase em cima da linha.




Bola na trave
A Alemanha recuperou a bola na intermediária, após passe errado de Mascherano. Trocou passes até a entrada da área, quando Kross apareceu como homem surpresa e chutou no canto direito. O goleiro Romero estava atento e encaixou. No minuto seguinte, como poucas vezes na primeira etapa, Muller encontrou espaço para jogar. Cruzou na área, mas Klose chegou atrasado e não conseguiu cabecear para o gol.

O bom momento alemão nos minutos finais quase foi coroado com o gol. Aos 45, após cobrança de escanteio, o zagueiro Höwedes subiu entre os adversários e acertou em cheio o poste esquerdo do goleiro Romero. No rebote, apesar do auxiliar marcar impedimento, a bola bateu em Muller e ficou nas mãos do arqueiro argentino.

Segundo tempo
A seleção da Argentina, como na etapa inicial, começou o tempo levando muito perigo ao goleiro Neuer. Messi se desvencilhou da marcação, entrou na área e bateu cruzado. Para sorte alemã, a bola caprichosamente passou muito próxima ao poste e não entrou.



A primeira chance alemã na etapa final, ainda que muito tímida, só aconteceu aos 13 minutos. Klose, após cruzamento, cabeceou e o goleiro Romero defendeu. Ao contrário do primeiro tempo, quando esperou os alemães, a seleção da Argentina diminuiu a posse de bola da Alemanha ao adiantar o posicionamento da marcação.

O segundo tempo começou a ganhar um teor emocionante a partir dos 20 minutos. O número de erros de passes aumentou, para os dois lados, assim como a quantidade de faltas cometidas. Aos 25, quando uma das equipes conseguiu criar, faltou tranquilidade para finalizar. Muller fez jogada individual e tocou para Schurrle. O meia, dentro da área, deixou a bola escapar do domínio e simplesmente morrer nas mãso do goleiro Romero.

Aos 29, Lionel Messi chamou a responsabilidade. Pegou a bola na direita, carregou para o meio e, apesar da falta de pontaria, mostrou que estava vivo. A finalização, porém, saiu pela linha de fundo. Pouco depois, aos 34 minutos, foi a vez da Alemanha levar perigo, mas não na mesma proporção. O zagueiro Höwedes, dentro da área, recebeu um bom passe. Ele, entretanto, mostrou não ter conhecimento de causa. O pé ficou preso na grama e ele não conseguiu finalizar, muito menos fazer o passe.

O fim do jogo se aproximava e as oportunidades também. Aos 36, Ozil disparou pela direita e teve liberdade para criar. Tocou para trás e, na entrada da área, encontrou Kross. O volante pegou de primeira, mas o arremate passou próximo do poste esquerdo e saiu pela linha de fundo.



Prorrogação
Os 30 minutos finais começaram eletrizantes. No primeiro deles, Muller tabelou com Schurrle e deixou o companheiro de frente para gol. O meia do Chelsea encheu e mais uma vez a finalização dele parou nas mãos do goleiro Romero. No rebote, Ozil bateu e a bola pegou em cheio no zagueiro Demichelis. O susto também fez parte da trajetória alemã na prorrogação. Aos 7, Palacio recebeu um lindo passe e ficou sozinho na grande área. O atacante encobriu Neuer, mas a bola ao invés da direção do gol morreu na linha de fundo. Foi uma das melhores chances da Argentina em toda partida.

Apesar das duas chances, que eleveram ainda mais o drama que tomava conta do jogo, Alemanha e Argentina não conseguiram tirar o zero do placar. E foi assim, ainda no empate sem gols, que os dois times seguiram para os últimos quinze minutos de bola rolando na Copa 2014. Antes disso, já com cartão amarelo, o volante Mascherano fez dura falta em Schweinsteiger e não foi advertido mais uma vez, o que irritou os alemães.

Gol da Alemanha
A estrela do treinador Joachim Löw brilhou no Maracanã. Aos 7 minutos, escolhido para substituir Klose no tempo normal, o jovem meia Götze recebeu um lindo passe dentro da grande área. Dominou no peito e, de perna esquerda, tirou do goleiro Romero: Alemanha 1 a 0.
FICHA TÉCNICA:
Copa do Mundo - Final
Alemanha x Argentina
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 13/06/2014
Árbitro: Nicola Rizolli (ITA)
Auxiliares: Renato Faverani e Andrea Stefani (ITA)
Gols: Gotze (Alemanha)
Cartões amarelos: Schweinsteiger, Höwedes (Alemanha) / Mascherano, Aguero (Argentina)
Público: 74.738

Alemanha: Neuer; Lahm, Hummels, Boateng e Höwedes; Kramer (Schurrle), Schweinsteiger, Kroos e Özil (Mertesacker); Müller e Klose (Gotze). Técnico: Joachim Löw.

Argentina: Romero; Zabaleta, Demichelis, Garay e Rojo; Mascherano, Biglia e Enzo Pérez (Gago); Messi, Lavezzi (Aguero) e Higuaín (Palacio). Técnico: Alejandro Sabella.

você pode gostar de:

evangelico
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

BRASILEIRÃO

Tabela gerada por Central Brasileirão

PREGAÇÕES

Loading...
Loading...